Mais de 70% dos empresários dos seguimentos do varejo e serviços aceitam cartões de crédito e débito como pagamento, revela pesquisa divulgada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), sendo que a maioria dos consumidores costuma pagar suas contas com crédito em 72,3% e débito 70,1%.

Em Rio Preto, a situação também não é diferente, explica Marcelo Schuindt, gerente de uma loja de calçados, no Centro da cidade. Segundo ele, o empresário que não tiver máquina de cartão, com certeza perde vendas.  

"O comerciante mudou a forma de gastar dinheiro. Realmente, a maioria compra somente com cartão pela praticidade e acredito que o medo de roubo também. Andar com dinheiro em espécie é perigoso", fala.  

Schuindt afirma que uma das formas de pagamento que praticamente acabou é o crediário. "O número de inadimplência sobre isso realmente está complicado e, por isso, nós paramos aqui na loja."  

Ainda assim, segundo a pesquisa, o dinheiro em espécie segue como a principal opção oferecida pelas empresas aceita por 96% dos entrevistados. Os cheques também aparecem no ranking, aceitos em 22,3% dos casos. Já as formas de pagamento online, como o PayPal, e tecnologias voltadas para esse tipo de venda, como o PagSeguro, ainda ocupam pequeno espaço no mercado, com 0,6% e 2,2%, respectivamente.  

"Acredito que pelo menos 45% das pessoas ainda usam dinheiro, principalmente para valores menores", fala Michele Ferreira, gerente de uma loja de roupas. As vantagens, para Schuindt, é que o dinheiro já cai direto na conta da empresa, mas ele fala que algumas taxas das operadoras ainda são altas.  

A pesquisa também revelou que quatro em cada dez empresários que recebem através de cartões (41,9%) afirmam descontar o percentual que o cartão cobra sobre as vendas para o cliente que pagar em dinheiro à vista.  

O que o cliente pensa A costureira Ana Maria da Costa, 51 anos, afirma que parou de usar dinheiro, porque vê mais praticidade com o cartão. "Já desconta do salário ou da conta. E em alguns casos podemos parcelar".  

A secretária Natiele Rocha, 34, conta que não usa mais   dinheiro para nenhuma compra. "O cartão é muito prático. Você paga e ainda ganha alguns dias do banco para quitar a dívida. Acredito que é a melhor opção hoje", fala.   Natiele ainda fala que o medo de roubos também foi outro motivo para evitar andar com dinheiro no bolso.  

O pensamento da Natiele é o mesmo do casal Rafael Santos Silva, 26, e Raquel Silva Lopes, 23. "A possibilidade de negociação com o cartão é muito melhor. Costumo comprar com dinheiro somente os produtos com preço baixo. Se for alto, divido, porque fica mais fácil de pagar", fala Rafael.  

Para sua mulher, Raquel, as vantagens do cartão são enormes, pois muitas empresas fazem diversas promoções. "Fica tudo mais fácil. Além disso, evitamos ser roubados, porque o dinheiro atrai os ladrões."