Apesar da lenta recuperação da economia no país e do ambiente de incertezas, a maior parte dos brasileiros pretende manter a tradição e ir às compras neste Natal, movimento que promete aquecer as vendas do varejo em 2018. É o que revela pesquisa realizada em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil). As projeções permanecem no mesmo patamar do último ano e indicam uma injeção de aproximadamente R$ 53,5 bilhões na economia.

O superintendente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal – CDL-DF, Antônio Xará, concedeu na última semana uma entrevista para a TV CNT. Na ocasião, comentou o resultado das eleições e as expectativas para o setor no próximo ano. Confira a matéria completa.

Apesar da alta de 7% nas vendas de material de construção na passagem de setembro para outubro, a estabilidade no faturamento do setor sobre um ano antes deixa os lojistas em compasso de espera. Ainda que as vendas de final de ano animem, é preciso esperar o comportamento do consumidor para cravar um crescimento de 6,5% neste ano.

De acordo com dados da Ebit|Nielsen, a expectativa para a Black Friday 2018 é de um faturamento de R$ 2,43 bilhões, 15% superior ao ano passado. O sucesso do evento se dá principalmente pelo aumento da confiança dos brasileiros em comprar pela internet, sendo que uma boa parte dos consumidores realiza a primeira compra online da vida nessa data. Preço baixo, segurança e avaliações de pessoas reais formam uma tríade de pontos inegociáveis para os consumidores, que irão verificar se eles são verdadeiros antes de fechar a compra.

Com a chegada do fim de ano, chega também o esperado 13º, que representa um significativo reforço financeiro no bolso do brasileiro. Segundo pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), 35% dos inadimplentes pretendem quitar dívidas em atraso e organizar sua vida financeira, preparando-se para os gastos que costumam aparecer todo início de ano, como IPVA, IPTU, matrículas, entre outros.