Na segunda quinzena de abril, a Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF) participou de duas missões técnicas internacionais, a fim de conhecer inovações implementadas em outros países que possam e trazer novidades para o varejo brasiliense.


A primeira viagem, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) do DF, incluiu uma visita à Universidade Ryerson, em Toronto, no Canadá, que conta com um renomado programa de gestão de negócios focado em tendências de mercado, na prática e no desenvolvimento de pesquisas. Além disso, a Missão Empresarial de Educação Executiva foi até a DMZ, a maior aceleradora de startups do país, e realizou visitas em outras companhias.


Ao todo, foram 17 empresários membros da CDL-DF de diferentes ramos do varejo, com o objetivo de conhecer novas práticas relacionadas a seus respectivos segmentos. O presidente da entidade, José Carlos Magalhães Pinto, o vice-presidente, Aldo Ramalho Picanço, e o presidente da CDL Jovem DF, Raphael Paganini estiveram entre os participantes.


Já na Missão Internacional Cingapura, organizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e voltada para empresários de todo o País, o presidente da CDL-DF foi o represente do Distrito Federal.


“Cingapura é considerada a cidade mais tecnológica da Ásia, e tem foco em inteligência artificial, que vai impactar diretamente e intensamente o varejo nos próximos anos”, justificou José Carlos Magalhães Pinto. Lá, os participantes também visitaram universidades e empresas, entre elas, Block 71, National University of Singapore, Horangi, Akin, Tuple Technologies, Turkey-Lender, MoneyThor, Bruefire AI e R3.


Para Magalhães, viagens como essas são uma grande oportunidade de buscar conhecimento e novos modelos que podem ser implementados no Brasil, especialmente em Brasília. “Tivemos contato com soluções interessantíssimas em meios de pagamento, gestão de crédito e de pontos de vendas. Certamente essas missões serão proveitosas, pois ampliam nossa visão e vão inspirar mudanças nos nossos negócios”, afirmou.