Na última quinta-feira (24), a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) Jovem promoveu o Dia da Liberdade de Impostos (DLI). Ao todo, 15 Estados e o Distrito Federal participaram da campanha em que empresários de diversos ramos venderam produtos sem os valores referentes aos tributos que incidem sobre eles. Na capital do País, o DLI movimentou o varejo de forma significativa.


Três postos da rede Jarjour venderam 39 mil litros de gasolina sem imposto (a R$ 2,98 o litro) para 1.950 consumidores. No total, R$ 116.220 circularam durante a ação. “Diante da alta flutuação dos preços dos combustíveis e de uma insatisfação acerca da alta carga tributária, o público se mobilizou ainda mais no DLI deste ano”, declarou o presidente da CDL Jovem DF, Raphael Paganini, promotor do evento.


Ele lembra, no entanto, que muitos consumidores vão ao DLI mais pela identificação com o protesto – que questiona os altos tributos brasileiros – do que pelos descontos. É o caso do técnico de enfermagem Guarani Vieira Ribeiro, de Sobradinho II, que chegou à unidade Jarjour da Asa Norte às 5 h da manhã. “Já é o terceiro ano que eu venho, porque concordo com que os impostos que pagamos no dia a dia pesam muito no orçamento e poderiam ser menores”, defende.


Nos shoppings que aderiram à campanha (Brasília, JK, Taguatinga e Terraço), vários lojistas registraram movimentação maior do que no dia anterior ao evento – um dia comum no varejo. No Brasília Shopping, por exemplo, 29 das 33 lojas participantes relataram incremento nas vendas. Em seis estabelecimentos, o aumento chegou a 100%.
Um exemplo de sucesso foi a sapataria masculina Sergio’s, que apostou na promoção da campanha na vitrine, que contou até mesmo com um painel multimídia. “Colocamos metade dos sapatos com desconto de 31%, e mais alguns itens, com 40%. A loja ficou lotada, os clientes adoraram e foi vantajoso para todo mundo”, afirma o supervisor da marca, Bruno dos Santos Melo.


Paganini observa a falta de uma data de grande movimentação no comércio (como a Black Friday) no primeiro semestre do ano, e afirma que o DLI tem o intuito de preencher essa lacuna. “Chegamos ao 10.º ano de campanha, com muito mais maturidade e muito mais parceiros, que mobilizaram milhares de pessoas”, destaca.
Para o presidente da CDL-DF, José Carlos Magalhães Pinto, a proporção que o evento alcançou, especialmente em Brasília, mostra a boa reputação construída pela campanha entre o público. “O DLI tem a capacidade de unir consumidores e empresários, e o trabalho da CDL Jovem é um excelente exemplo de mobilização social e do varejo”, ressalta.

Sobre o DLI

A campanha defende a simplificação tributária no Brasil. “Apoiamos projetos de lei com esse propósito, para que o consumidor saiba quanto paga de impostos em cada produto que compra, com mais transparência”, afirma Paganini. Assim, um imposto único – ou medida similar – tornaria o cálculo mais fácil, e, consequentemente, os cidadãos teriam recursos para exigir a diminuição da carga. “Assim, todos ganham: o País fica mais interessante para as empresas operarem aqui, o que leva ao aumento da concorrência, que, por sua vez, aumenta a oferta de empregos e o consumo”, esclarece.

Ele lembra que não há sonegação de impostos durante a campanha: todos os tributos são pagos pelos empresários, apenas não são repassados para os clientes.