O Dia dos Namorados, celebrado no dia 12 de junho, deve levar 62% dos brasileiros às compras. Com base em uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) em todas as capitais, estima-se que 93,5 milhões de brasileiros vão presentear alguém nessa data, o que deve injetar R$ 15,6 bilhões na economia. A greve dos caminhoneiros, no entanto, ainda pode afetar as vendas neste ano em várias cidades, inclusive Brasília.

José Carlos Magalhães Pinto, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF), que administra o SPC em Brasília, espera que haja crescimento nas vendas no Dia dos Namorados, como houve nas demais datas comemorativas deste ano, em comparação com 2017. Entretanto, esse aumento deve ser tímido, menor que o esperado, em decorrência da paralisação. “O abastecimento de muitas lojas foi prejudicado durante o período e ainda está se normalizando”, afirma.

Apesar disso, o presidente da CDL-DF não é pessimista. Ele acredita que o clima positivo da Copa do Mundo, que se inicia no dia 14 de junho, vai ajudar a motivar os consumidores. “Também não podemos esquecer que o brasileiro tem o hábito de fazer compras de última hora. Portanto, para quem já iria comprar o presente na véspera, a greve dos caminhoneiros deve influenciar menos”, pondera. “Além disso, as lojas físicas podem ter um aumento maior no movimento, em decorrência de possíveis atrasos nas entregas de produtos comprados on-line”, completa José Carlos.

O que mais atrapalha um impulso nas vendas é o estoque limitado de alguns estabelecimentos. O presidente da CDL-DF orienta os lojistas que ainda não tiveram o abastecimento totalmente normalizado a apostar em promoções, atendimento de qualidade e diferenciação de produtos, criando, por exemplo, combinados de itens diferentes. “Para os consumidores, a dica é buscar o pagamento à vista para evitar complicar as finanças pessoais com prestações não planejadas, já que ainda estamos em um período de inadimplência e desemprego elevados”, finaliza.

Confira abaixo outros dados levantados pela pesquisa:

  • Quando a pesquisa investiga quem será a pessoa presenteada, o esposo ou a esposa aparecem em primeiro lugar, com mais da metade das respostas (64%) – e intenção maior de presentear entre os homens (69%). Em segundo lugar, aparecem os namorados (30%) e, na sequência, os noivos (5%).
  • A maioria dos que vão comprar presentes no Dia dos Namorados (66%) acredita que também vão ganhar presentes, em especial nas classes A e B (76%).
  • A maior parte (36%) dos entrevistados deve gastar a mesma quantia do ano passado, enquanto 21% projetam desembolsar mais, e 17% pretendem diminuir o valor gasto.
  • Em média, o consumidor brasileiro deve desembolsar R$ 166,87 com os presentes do Dia dos Namorados. Esse valor aumenta para R$ 225,18 entre as pessoas das classes A e B. É importante notar que 25% ainda não decidiram o valor que será gasto.
  • Entre os compradores que planejam gastar menos que em 2017, o que pesa mais é o fato de estarem em uma situação financeira difícil ou com o orçamento apertado, com 31% de citações. A necessidade de economizar também é motivo citado por 26% dessa parcela dos entrevistados.
  • Já entre os que planejam gastar mais neste ano, 40% alegam que vão adquirir um presente melhor. De modo geral, a maioria dos consumidores (71%) deve comprar apenas um único presente, mas 23% planejam adquirir dois ou mais itens para agradar ao parceiro.
  • A maioria dos entrevistados (58%) tem a percepção de que os produtos estão mais caros que no ano passado. Outros 38% acreditam que os presentes se mantiveram na faixa de preço, e somente 4% acham que os produtos estão mais baratos que no ano passado.
  • Como tentativa de economizar, 74% dos consumidores pretendem fazer pesquisa de preço. Entre os que devem ir em busca de ofertas mais atrativas, 76% pretendem usar a internet como principal aliada, 62% farão pesquisa de preço em lojas de shopping e 36% em lojas de rua.
  • De acordo com os entrevistados, a principal forma de pagamento será o pagamento à vista, com 58% de citações, com destaque para o dinheiro em espécie (39%) e cartão de débito (18%). Outros 37% devem utilizar o cartão de crédito. e apenas 2% o boleto bancário.
  • Entre os que vão dividir as compras, o número médio de prestações varia entre três e quatro.
  • Os presentes mais procurados por quem vai presentear são roupas (41%), perfumes ou cosméticos (34%), calçados (22%) e jantares (18%). Completam o ranking bombons e chocolates (17%) e acessórios, como bijuterias, cintos, óculos e relógios (17%).
  • Outras opções de presentes que os entrevistados consideram, na tentativa de economizar nos gastos são fazer um jantar romântico (49%), um café da manhã (32%) e passeio ao ar livre no final de semana (24%).
  • Os shopping centers despontam como o destino para a maioria dos presentes, com 36% das citações. Em segundo lugar, aparecem as lojas on-line (18%), seguidas dos shoppings populares (9%) e das lojas de departamentos (8%).
  • Em cada dez entrevistados, dois (21%) disseram que são eles próprios quem escolhem o que vão ganhar no Dia dos Namorados, ao passo que 78% deixam essa decisão a cargo do companheiro.
  • Para a escolha do presente, os fatores mais levados em conta são a qualidade do produto (30%) e o perfil do presenteado (21%). Os locais preferidos para comemoração são a própria casa do entrevistado (33%), seguida dos restaurantes (30%) e dos hotéis ou motéis (11%).
  • Três em cada dez dos que pretendem comprar presentes (29%) revelam que irão às compras, mesmo com as contas em atraso, especialmente respondentes das classes C, D e E (33%). Além disso, 8% deixarão de pagar alguma conta para comprar o presente da pessoa amada.
  • Entre os consumidores que estão com contas em atraso, 72% também estão com o CPF negativado em serviços de proteção ao crédito, principalmente os correspondentes às classes C, D e E (75%).
  • Os dados revelam que, entre os consumidores que compraram presentes para o Dia dos Namorados do ano passado, 9% estão negativados por compras feitas na ocasião.

 

Metodologia

A pesquisa foi realizada por meio de entrevistas com 932 casos em um primeiro levantamento, para identificar o percentual de pessoas com intenção de comprar presentes no Dia dos Namorados. Em seguida, continuaram a responder o questionário 602 casos de consumidores que tinham a intenção de comprar presente no Dia dos Namorados este ano. As margens de erro, respectivamente, são de 3,2 pontos percentuais e 3,9 pontos percentuais para um intervalo de confiança de 95%.

Baixe a íntegra da pesquisa em https://www.spcbrasil.org.br/pesquisas