O Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico (Codese) do Distrito Federal apresentou o documento “O DF que a gente quer” ao público no último sábado (4). O objetivo é sugerir metas para o desenvolvimento do DF, que poderão ser seguidas pelos próximos governadores, a partir de contribuições de diversas entidades dos setores produtivo e de serviços – das quais a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) faz parte – e da sociedade civil.

O evento de lançamento ocorreu no auditório do Museu Nacional e contou com a participação de 570 pessoas (sendo 140 membros do Codese), além daquelas que votaram online, que validaram as propostas apresentadas e ofereceram novas sugestões – a versão final ficará pronta até sábado (11). A partir do dia 15, o documento será entregue aos candidatos ao Governo do Distrito Federal (GDF), e aqueles que concordarem em executar as propostas firmarão um termo de compromisso.

Para o presidente da CDL-DF, José Carlos Magalhães Pinto, que também é conselheiro do Codese/DF, “O DF que a gente quer” é um marco para a capital, pois une diversos setores cruciais para o crescimento da economia em torno de um objetivo comum. “O documento propões ações estratégicas e sustentáveis até 2030, a partir das necessidades da população e visando o benefício de todos”, afirma.

Na área de comércio e serviços, em que a CDL-DF tem maior atuação, as principais medidas sugeridas são a revisão da carga tributária do DF (excluindo micro e pequenas empresas tributadas pelo regime do Simples Nacional da base do DIFAL); a revitalização da W3; a implantação do sistema de estacionamento rotativo pago conhecido como zona azul nas áreas comerciais; e o aumento de linhas de crédito para o setor de comércio e serviços. “Dessa forma, o DF pode se tornar mais competitivo em relação a outros estados, mais acessível e atrativo para quem quer abrir um negócio e gerar empregos”, defende.

O Codese/DF conta com outras 18 câmaras técnicas, com assuntos como educação, turismo, indústria, tecnologia, saúde, gestão e segurança pública, que trabalham desde o ano passado para a produção do documento. Ao todo, 240 técnicos, empresários, acadêmicos e representantes da sociedade civil organizada elaboraram as ações, que estão conectadas com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da Organização das Nações Unidas (ONU).

Para acessar as propostas, acesse o site do projeto: odfqueagentequer.org

 

Com informações do Codese/DF