Uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) mostra que a liberação dos saques das contas do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço), que começam nesta sexta-feira, dia 13, deve contribuir para que muitos inadimplentes regularizem o pagamento de suas contas em atraso. Entre os beneficiários que pretendem resgatar o dinheiro, 38% têm a intenção de quitar todas ou pelo menos parte de dívidas que estão pendentes — isso significa que aproximadamente 9,7 milhões de brasileiros devem utilizar esse dinheiro extra para ‘limpar o nome’ e, assim, voltarem ao mercado de crédito.

O cheque especial é uma das modalidades de crédito mais caras do mercado, mas nem por isso o consumidor brasileiro tem evitado usar esse limite disponível na conta, que muitas vezes é fácil de ser obtido. Uma pesquisa feita em todas as capitais pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) revela que, em cada dez brasileiros, dois (20%) recorreram ao cheque especial em algum momento nos 12 meses anteriores ao levantamento, percentual próxima aos 17% observados na mesma pesquisa do ano passado.

Representantes do Sistema CNDL se reuniram com o ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, para tratar do problema do comércio ilegal de mercadorias. O encontro, realizado no início de agosto, contou com a participação do presidente da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), José César da Costa, dos diretores da entidade e presidentes da Federação das Câmaras de Dirigentes Lojistas de São Paulo (FCDL-SP), Maurício Stainoff, da FCDL-MG, Frank Sinatra Santos Chaves, e da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal (CDL-DF), José Carlos Magalhães Pinto.

Mais da metade dos entrevistados sabe pouco ou nada sobre a renda do próximo mês; 45% gastam mais do que limite do orçamento e 32% admitem deixar de pagar alguma conta para comprar algo que desejam

Estudo revela que 87% dos jovens de 18 a 24 anos acessam a internet todos os dias e 39% acreditam que não ter um smartphone prejudicaria lazer, estudo e trabalho