O agravamento da pandemia, o grande número de casos de influenza e os compromissos financeiros comuns no início do ano têm afetado o movimento no comércio e, consequentemente, as vendas nas liquidações de janeiro. Uma alternativa é estender as promoções um pouco mais para dar fôlego ao caixa. Essa pode ser uma oportunidade para fortalecer o vínculo com seus clientes, proporcionando boas experiências de compras.

Nova doação para pessoas em situação de rua

Na última sexta-feira, 14, foi realizada uma nova doação para pessoas em situação de rua na L2 Sul. A Fundação CDL mobilizou seus membros para atender os pedidos das pessoas do local, feitos na ação de 11 de janeiro. Dessa vez, roupas de frio, meias e leite foram doados. Vale destacar as participações da Diretora Karine Toscano, da Equipe Técnica da Fundação e da Presidente Andrea Vasquez, junto à Puket.

2022 tem todos os requisitos para ser um grande período para os negócios. Mais recuperado que os outros dois antecedentes, este ano reserva a chegada de tecnologias almejadas, maior debate com a sociedade, mudanças no atendimento, jornada e experiência, novos hábitos de consumo, entre tantas outras novidades. As mudanças já estão sob a mesa, basta ter a perspicácia para acompanhá-las. E uma série de empresas já apontam hábitos de consumo para o mundo corporativo em 2022, como a Euromonitor, que recentemente anunciou dez tendências globais de consumo para este ano. 

O brasileiro prefere estabelecimentos e marcas que ofereçam programas de fidelização, sobretudo, para utilizar no lazer. Esta afirmação está no recente estudo Generation Pay, realizado pela Worldpay from FIS em parceria com a Savanta. O relatório aponta que para 74% dos consumidores é importante ou muito importante esse tipo de benefício nas compras de viagens ou férias e para 64% da população o interesse é por lojas que tenham programas de fidelidade na hora de comer fora.

O cenário está novamente incerto. Esta nova onda de coronavírus, apesar de menos letal, tem preocupado todos, principalmente, o varejo. Apesar disso, estamos esperançosos que a situação não se agravará, pois a vacinação e a experiência nos tornam mais preparados.
Sabemos que o comércio não é o grande responsável pela alta dos casos da doença, mas, ainda assim, é necessário reforçarmos a importância de continuarmos com os cuidados contra o coronavírus nas nossas lojas.