Por conta da restrição social, o crescimento das vendas do e-commerce chegou a aumentar quase 74% no ano passado, segundo os dados fornecidos pelo MCC-ENET. Com o aumento do consumo pela internet, informalidades tributárias migraram para o ambiente virtual, afetando quem trabalha de forma honesta. 

Nesse novo ritmo de vendas, o comércio informal, que não atua de acordo com a formalidade da legislação trabalhista e tributária, contribui com a sonegação de impostos e tarifas, com o intuito de reduzir custos e burlar a fiscalização.

De certa forma, essas informalidades acabam por gerar um grande prejuízo ao comércio formal e estimulam a concorrência desleal, dado que o trabalho informal financia menos encargos e por isso, oferecem um produto ou serviço mais barato e atraem mais consumidores. Em contrapartida, o negócio que atua de forma regularizada, acaba apresentando preços mais elevados. Além de enfraquecer o mercado formal, que contribui na arrecadação de impostos, a informalidade também desestimula a oferta de emprego, prejudicando assim toda a cadeia econômica sustentada pelo comércio.

Nós, da Câmara de Dirigentes Lojistas do Distrito Federal, somos contra qualquer coisa que impacte negativamente no ambiente de negócios do varejo.

Wagner Silveira
Presidente da CDL-DF