Falar sobre empreendedorismo feminino não é só questão de igualdade de gêneros, mas também de desenvolvimento econômico. O Brasil é o sétimo país com o maior número de empreendedoras no mundo. Elas estão à frente de 52% do total de novos negócios. Apesar de serem parte relevante dos empreendimentos do país, as mulheres ainda buscam espaço no mercado. Por exemplo, os juros de empréstimo são maiores, mesmo que a taxa de inadimplência seja baixa.

Fundação CDL contribui para o funcionamento do Instituto Mãos Amigas – IMA

O Instituto Mãos Amigas (IMA) receberá da Fundação CDL pelos próximos seis meses o repasse de R$ 2.200 para o aluguel do imóvel da sua sede. A iniciativa garante que a instituição continue funcionando e prestando assistência a pessoas com distúrbios mentais e seus familiares e a crianças e adolescentes que sofreram algum tipo de violência, encaminhados pela Vara da Infância e Juventude - VIJ/TJDFT. Localizado em Ceilândia, o IMA oferece atendimentos de psicoterapia, psiquiatria, suporte jurídico e assistência social.

 

Na última quarta-feira, 16, lideranças do comércio e serviços se reuniram com o Ministro da Economia, Paulo Guedes, em um almoço para apresentarem as principais demandas do setor. É um consenso entre as entidades que o desenvolvimento do país começa pelo varejo, responsável por 17% do PIB e por mais de 27 milhões de empregos. O foco da conversa foi as reformas estruturais que estão em tramitação no Congresso Nacional e precisam ocorrer o quanto antes, sendo a reforma tributária a mais urgente. A desburocratização e a PL 178/2021 também foram assunto no encontro.

Projeto da Fundação CDL arrecada R$57 mil para Abrace

O Troco por Sorrisos, da Fundação CDL, angariou, em 2021, R$ 57 mil para a Associação Brasileira de Assistência às Famílias de Crianças Portadoras de Câncer e Hemopatias (Abrace). A arrecadação foi feita pela Drogaria Brasil, parceira desde o início do projeto, em 2018. A presidente da associação, Maria Angela Marini, celebra as doações, que têm sido de suma importância durante a pandemia.

É urgente que o veto a PLP 46/2021, que visa a renegociação de dívidas de micro e pequenas empresas, seja derrubado. Sem o veto, seria criado o Programa de Renegociação em Longo Prazo (Relp) que previa a redução de até 90% das multas e juros de multas e juros sobre tributos atrasados, além de 100% de descontos de outros encargos legais por 15 anos. O projeto foi aprovado pela Câmara dos Deputados no dia 16 de dezembro e o presidente Jair Bolsonaro vetou em janeiro.