Ainda que a força de trabalho das mulheres tenha crescido de forma considerável ao longo dos anos, há uma lacuna em determinadas profissões que ainda não é preenchida por essas profissionais, um reflexo muito cultural e que segue na previsão de mudar. Entre eles, um dos mais importantes — e também, veja que ironia, com maior falta de mão de obra qualificada — é o setor de tecnologia. E essa falta de qualificação, vale destacar, não é exatamente preenchida com profissionais diversos. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), somente 20% da força de trabalho em tecnologia é provinda de mulheres, mas essa porcentagem, que corresponde a uma amostragem de 2019, deve mudar em breve.

A arrecadação federal de janeiro indica continuidade da recuperação do nível de atividade econômica e da geração de emprego no país, aponta a análise “Conjuntura Macroeconômica e Arrecadação Bruta de Tributos Federais”, divulgada pela Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia na quarta-feira (23/02), em coletiva virtual. Segundo dados do Prisma Fiscal – sistema de coleta de expectativas de mercado elaborado pela SPE para acompanhar a evolução das principais variáveis fiscais brasileiras –, pelo 18º mês consecutivo a arrecadação total ficou acima do esperado pelo mercado.

O fim de ano no varejo físico foi agitado. As vendas de Natal no Brasil cresceram 11,1% em 2021, em comparação com o mesmo período do ano anterior, de acordo com o Índice Cielo do Varejo Ampliado (ICVA). Já as vendas no e-commerce brasileiro na Black Friday 2021 totalizaram R$ 4,2 bilhões, crescimento nominal de 5% em relação a 2020. A informação foi divulgada pela NielsenIQ|Ebit. “São ótimos sinais de melhora, o que gera uma especulação positiva por parte dos varejistas e faz com que tendam a investir mais em seu negócio a fim de atrair os consumidores”, explica Juliano Mortari, CEO da VarejOnline, empresa especializada em tecnologia para gestão de lojas franquias e pontos de venda (PDV).

O Monitor que sinaliza o Produto Interno Bruto (PIB, soma de todos os bens e serviços produzidos no país) cresceu 4,7% em 2021. Pela ótica da produção, todos os três grandes setores de atividade (agropecuária, indústria e serviços) cresceram no ano, com taxas, respectivamente, 0,6%, 4,4% e 4,7%. Os dados foram divulgados hoje (25) pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV). Segundo o coordenador do Monitor do PIB-FGV, Claudio Considera, a economia brasileira em 2021 compensou a queda de 2020 crescendo 4,7%, graças, principalmente, ao crescimento do setor de serviços em virtude da vacinação contra a covid-19. Todos os componentes, tanto da oferta como da demanda, apresentaram crescimento.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que vai anunciar, na próxima semana, um pacote de crédito de R$ 100 bilhões para qualquer tipo de empresa —, seja "microempresa ou empresas de milhões". A afirmação foi feita em almoço com representantes da União Nacional de Entidades do Comércio e Serviços (Unecs). O presidente da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), Paulo Solmucci, presente no encontro, disse que Guedes antecipou o anúncio, quando foi questionado sobre a manutenção, em 2022, do Programa Nacional de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Pronampe), lançado durante a pandemia para fornecer capital de giro aos pequenos negócios.